sábado, 30 de abril de 2011

Violência, Assédio Moral e Suicídio no Trabalho

Lançamento do livro "Do Assédio Moral à Morte de Si. Significados sociais do Suicídio no trabalho" dia 28 de abril as 19 horas (Dia Mundial em Memória das Vítimas de Acidentes de Trabalho) no Sindicato dos Químicos de São Paulo, localizado à Rua Tamandaré, 348 - Liberdade.

Presença do Prof. Ângelo Soares (Université du Québec à Montréal), um dos colaboradores do livro, fazendo a conferência "O trabalho em tempos sombrios".

O livro tem como objetivo fundamental dar visibilidade social ao tema e que trabalhadores e trabalhadoras de diferentes categorias, ramos de produção e escalões, leiam, reflitam e lutem por um mundo do trabalho digno de ser vivido por todos.

Lançamento do livro Do Assédio Moral à Morte de Si

O Sindicato dos Químicos de São Paulo convida você para o lançamento do livro “Do Assédio Moral à Morte de Si – Significados Sociais do Suicídio no Trabalho”.

Programação
19 horas – Coral Martin Luther King
19h30 – Apresentação do livro com a presença dos autores
20 horas – Conferência: “O Trabalho em Tempos Sombrios” – Angelo Soares (sociólogo, Université du Québec à Montréal – UQAM, Canadá)

Organizadores:
Margarida Barreto
Nilson Berenchtein Netto
Lourival Batista Pereira

Data: 28 de abril de 2011, às 19h
Local: Sede do Sindicado
Endereço: Rua Tamandaré, 348 - Liberdade - SP




Abaixo  o índice do livro e os dados dos autores.

ÍNDICE

Prefácio - Do Assédio Moral à Morte de Si: a opção pela explicitação contra
o silêncio que cala o sofrimento
Sueli Terezinha Ferreira Martins

Parte I - Entrevistas
1. Álvaro Roberto Crespo Merlo
2. Marcelo Finazzi

Parte II - Mundo do Trabalho – Aspectos conceituais

Capítulo 1 - Reflexões sobre a violência. Significados
historicamente construídos
Maria Amélia de Almeida Teles

Capítulo 2 - O mundo do trabalho e as questões éticas que envolvem
o adoecer e morrer dos trabalhadores.
Lourival Batista Pereira

Capítulo 3 - Conceito de natureza humana, trabalho e subjetividade:
um aporte para pensar a problemática do suicídio no mundo do trabalho.
Ester Cohen

Capítulo 4 - Formas de gestão na acumulação flexível: o assédio
moral
Terezinha Martins dos Santos Souza

Parte III – Trabalho, Violência, Suicídio

Capítulo 5 - A morte proibida do trabalhador – Análise histórico-
social das relações entre suicídio e trabalho
Nilson Berenchtein Netto

Capítulo 6 - O enigma do suicídio no mundo do trabalho
Dulce Sauaya
Ester Cohen

Capítulo 6 - As mortes violentas como forma de transgressão:
o suicídio.
Fernanda Marquetti

Capítulo 7 - Assédio Moral e Ideação Suicida
Ângelo Soares

Capítulo 8 - Das Violências ao Suicídio no trabalho.
Margarida Barreto
Selma Venco

Capítulo 9 - Quando alguém se mata no trabalho, o que está
querendo dizer?
Roberto Heloani

PARTE IV - Anexos - Originais em espanhol

SOBRE OS AUTORES

Álvaro Roberto Crespo Merlo – Médico do Trabalho, doutor
em Sociologia pela Université Paris 7, Docente da Faculdade de
Medicina e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da
Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor médico-assistente
do Ambulatório de Doenças do Trabalho/Serviço de Medicina
Ocupacional do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Bolsista
Pesquisador do CNPq.

Ângelo Soares – Professor no Departamento de Organização
e Recursos Humanos da Escola de Ciências da Gestão da Universidade
do Quebec em Montreal - UQAM. Dirige pesquisas sobre
assédio moral, sobre as emoções e sobre a saúde mental no trabalho.
É doutor em sociologia do trabalho (Ph.D.) e realizou o seu pós-
-doutorado na UQAM.

Dulce Sauaya – Doutora em Psicologia. Consultora e Pesquisadora
da Cátedra.1da Faculdade de Psicología na Universidade de
Buenos Aires – UBA. Doutora Honoris Causa pela Universidade
Madres Plaza de Mayo. Psicóloga emérita pelo Ministério da Saúde
– Governo da Cidade de Buenos Aires. Publicou entre outras obras,
Salud Mental y Trabajo. Historia Vital del Trabajo un dispositivo
psicosocial.

Ester Cohen – Professora Titular de Filosofia, Metodologia,
Investigação e Epistemologia na Faculdade de Psicología e Faculdade
de Medicina da Universidad de Buenos Aires. Publicou: Creencia,
paradoja y crisis. Catálogos, Buenos Aires, 1989; El discurso del
deseo y la ilusión. Catálogos, Buenos Aires, 1990; Interdisciplina y
psiquiatría en revista electrónica de Finteco. Foi professora nos Seminários
sobre Spinoza, para docentes de contextos de conclusão e
Seminário sobre Foucault para pessoas privadas de liberdade.

Fernanda Marquetti - Terapeuta Ocupacional. Professora doutora do
Curso de Terapia Ocupacional na Universidade Federal de São Paulo -
Campus Baixada Santista (UNIFESP-BS).

Lourival Batista – Dirigente Sindical. Coordenador da Secretaria
de Saúde do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas,
Farmacêuticas, Plásticas e Similares de São Paulo.

Marcelo Finazzi - bancário, técnico com atuação nas áreas de
gestão de pessoas e relações de trabalho. Bacharel e Mestre em Administração
pela Universidade de Brasília. Realiza pesquisas sobre
violências e sofrimento relacionados ao trabalho e estudos organizacionais
críticos. Autor da dissertação: Patologia da solidão - o
suicídio de bancários no contexto da nova organização do trabalho.

Margarida Barreto - Médica do trabalho. Doutora em Psicologia
Social PUC/SP. Vice-coordenadora do Núcleo de Estudos
Psicossociais da Dialética Exclusão/Inclusão Social – NEXIN/
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo- PUC/SP.

Nilson Berenchtein Netto – Psicólogo, mestre em Psicologia
Social e doutorando em Psicologia da Educação PUC/SP. Bolsista CNPq.

Roberto Heloani – Bacharel em Ciências Jurídicas e Psicólogo.
Professor Livre-Docente e Titular na Universidade Estadual de
Campinas (UNICAMP). Pesquisa e leciona na Fundação Getúlio
Vargas (FGV-SP). Conveniado à Université Paris X, Nanterre.

Selma Venco – Socióloga do trabalho, pós-doutora em sociologia
do trabalho – Laboratoire Genre, travail et Mobilités, Université
Paris X e Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Departamento
de Sociologia, Universidade Estadual de Campinas. Professora do
programa de pós-graduação, Universidade Metodista de Piracicaba
(UNIMEP).

Sueli Terezinha Ferreira Martins - Docente do Deptº. Neurologia,
Psicologia e Psiquiatria e do Programa de Pós-Graduação em Saúde
Coletiva, Faculdade de Medicina, UNESP-Botucatu. Mestre e Doutora
em Psicologia Social – PUCSP. Coord. Núcleo de Estudos e Pesquisas
“Psicologia Social e Educação: contribuições do marxismo” – NEPPEM.

Terezinha Martins dos Santos Souza – Psicóloga. Pós-graduação
latu-sensu em Sócio-Psicologia pela Escola de Sociologia e Política
de São Paulo. Mestrado e doutorado em Psicologia Social pela
PUC/SP. Professora Adjunta I do Instituto de Estudos em Saúde
Coletiva - Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

domingo, 24 de abril de 2011

Assédio moral é tema de palestra em Juiz de Fora

O vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais, Arthur Lobato, participa, no próximo dia 26, de palestra promovida pelo Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de Juiz de Fora, para discutir “Assédio Moral no Trabalho – Consequências para a saúde e direitos dos trabalhadores”.

Além de jornalista, Arthur Lobato é psicólogo e coordenador da Comissão de Combate ao Assédio Moral do Sindicato dos Servidores da Justiça de 1ª Instância do Estado de Minas Gerais. Vale lembrar que o combate ao assédio moral, prática que degrada a integridade e a dignidade de muitos trabalhadores, é uma das bandeiras do Sindicato dos Jornalistas.

Ainda como debatedores, participam também do evento a drª Margarida Barreto (vice-coordenadora do Núcleo de Estudos Psicossociais da Dialética Exclusão/Inclusão Social da PUC/SP), drª Andréa de Miranda Ramos (Universidade Federal de Juiz de Fora) e a drª Fabiana Nunes Merhy-Silva (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

A palestra tem início às 19h, no Auditório da OAB que fica localizado na Avenida dos Andradas, 696 – Juiz de Fora.

O evento é uma realização do Centro de Referência Regional em Saúde do Trabalhador de Juiz de Fora em parceria com o Sindicato dos Trabalhadores e com o Conselho Municipal de Saúde do município.

Mais informações pelos telefones (32) 3690-7511 / 3690-7466 / 3215-5071 / 3215-1855 / 3215-2249 / 3215-5318 / 3214-2948 / 3215-7134

Publicado no site do Sindicato dos Jornalistas de Minas Gerais




sexta-feira, 22 de abril de 2011

Mandar ou liderar?

James Hunter e o psicólogo
Arthur Lobato.
*Arthur Lobato

O sociólogo Max Weber define o poder “como uma faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade”. Direito e poder são sinônimos de faculdade. O triunfo de uma vontade sobre outra vontade, pode ser analisado sob diversos ângulos: através do convencimento, do diálogo, da persuasão, da sedução, do logro, da violência. Na escravidão pela violência, pela força, o forte domina e escraviza o mais fraco. Cria-se uma relação de dominador e dominado. Para aumentar o domínio, ocorre disciplina, hierarquia, poder. Há nesta relação, pessoas violentas, sádicas, perversas, que tem prazer em infligir sofrimento no outro. A violência física aos poucos é substituída pela violência psicológica. Mas as estruturas perversas permanecem. Muitas empresas e instituições públicas ainda seguem este modelo hierárquico-militar-autoritário, no qual quanto mais alto o cargo mais poder tem o indivíduo, pois este poder é referendado pela sociedade, via instituição e cargo. Surge o grande perigo: o excesso de poder em cargos intermediários envaidece o homem ou a mulher. O orgulho cega, o autoritarismo é a marca da soberba de que tem a ilusão do poder. A violência moral, as humilhações, a intenção de prejudicar através de atos sistematizados e repetidos contra uma pessoa, que caracteriza o assédio moral, muitas vezes pode ser fruto deste excesso de poder, do autoritarismo da pessoa e da omissão da instituição.

Os homens passam, as instituições permanecem, por isso, a organização do trabalho deve estar sempre evoluindo em busca não só da produtividade e bom atendimento ao público, mas também oferecendo aos servidores condições para que o serviço seja realizado e garantir a saúde do trabalhador no ambiente de trabalho.

O poder de uma instituição como o Tribunal de Justiça de Minas Gerais - TJMG deve existir para que a vontade da sociedade prevaleça sobre a violação de nosso código social. Entretanto, no trabalho diário para alcançar os objetivos desejados, a tarefa e o relacionamento são o amalgama para um serviço bem realizado. Em cada equipe o chefe tem deve ser também um líder.

Estudos e pesquisas comprovam que “a força produtiva mais importante conhecida como força de trabalho, depende da estrutura psíquica do homem” (Wilhelm Reich). Constata-se que não adianta só chefiar, mandar, ordenar, tem de haver liderança. E como se forma um líder? É um talento nato? A liderança pode ser aprendida? O que é ser líder? Como ser líder? Estas são algumas perguntas e desafios tanto para as empresas, como para as instituições, e não adianta formulas mágicas, pois o ser humano é imprevisível, dinâmico, assim como o mundo do trabalho. Barreto, Heloani, Freitas, no livro Assédio Moral no Trabalho, comprovam por pesquisas acadêmicas e estudos científicos que “os gestores são responsáveis pela intervenção na organização do trabalho, modificando-a no sentido de torná-la menos indutora de violência e mais geradora de processos colaborativos”. Fica também a dica de James Hunter sobre liderança: “é a habilidade de fazer com que os outros façam as coisas de bom grado.”.

Arthur Lobato é psicólogo, integra a Comissão de Combate ao Assédio Moral do SINJUS MG.

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Lançamento do livro Do Assédio Moral à Morte de Si

O Sindicato dos Químicos de São Paulo convida você para o lançamento do livro “Do Assédio Moral à Morte de Si – Significados Sociais do Suicídio no Trabalho”.

Programação
19 horas – Coral Martin Luther King
19h30 – Apresentação do livro com a presença dos autores
20 horas – Conferência: “O Trabalho em Tempos Sombrios” – Angelo Soares (sociólogo, Université du Québec à Montréal – UQAM, Canadá)

Organizadores:
Margarida Barreto
Nilson Berenchtein Netto
Lourival Batista Pereira

Data: 28 de abril de 2011, às 19h
Local: Sede do Sindicado
Endereço: Rua Tamandaré, 348 - Liberdade - SP


Palestra sobre Assédio Moral no Sinffaz



Fotografia
 
Na tarde de sábado, 02 de abril, às 14h, aconteceu no Auditório da Coopsef, a Assembleia Geral do Sinffaz. Além da Diretoria do Sindicato, muitos filiados compareceram ao encontro, o que proporcionou debates relevantes, bem como o planejamento das ações do Sinffaz em 2011.



Paulo César Marques da Silva deu início à Assembleia agradecendo a presença de todos e enfatizou o quanto é necessário e importante que todos participem das ações e decisões do Sindicato. Em seguida, o Presidente do Sinffaz apresentou aos filiados o Senhor Arthur Lobato, psicólogo e jornalista, que realizou uma palestra sobre Assédio Moral.



Assédio Moral

Com a publicação da Lei Complementar 116 de janeiro de 2011, o assunto “Assédio Moral”, enfim, ganhou níveis de discussão e a atenção necessária. O tema bastante importante, mesmo sendo discutido nas entidades sindicais e entre os servidores, ainda não tinha um respaldo legal para ser refletido e combatido.


Arthur Lobato esclareceu sobre o que vem a ser assédio moral, suas diferentes formas, e as consequências graves na saúde do servidor e no seu desempenho profissional do assediado.








Em seguida, o palestrante analisou alguns aspectos da Lei Complementar 116, e apontou artigos importantíssimos para cada servidor se proteger do assédio moral. Em seguida, foi aberto um debate no qual os presentes puderam manifestar e retirar algumas dúvidas.




Brígida Maria Colares, vice-presidente do Sinffaz, questionou sobre como o funcionário deve proceder para denunciar o assédio e colher provas. Lobato declarou que esse é um trabalho difícil e que é preciso colaboração do grupo de trabalho. “A informação é nossa maior arma”, afirmou Artur Lobato. O palestrante esclareceu que há muitas formas de apresentar provas. A primeira é a testemunhal. Quem estiver sendo ameaçado de alguma forma, deve sempre conversar com os colegas de trabalho para que todos fiquem cientes do que está acontecendo. Ele ressalta que deve haver solidariedade por parte dos colegas, e que é muito importante estar atento ao que acontece no ambiente de trabalho. Outro tipo de prova é a documental. O assediado pode guardar, por exemplo, algum email que tenha recebido, onde deixa claro o que está acontecendo. Para mais informações sobre o assunto, o palestrante indicou o site www.assediomoral.gov.br.


Publicado em: SINFFAZ


Vejam mais fotos:


Assédio Moral no Trabalho - Consequências para a saúde e direitos dos trabalhadores


OAB - Av. dos Andradas, 696 - JF 

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador-CEREST-JF, em parceria com Sindicatos de Trabalhadores e com o Conselho Municipal de Saúde vem convidá-lo para o evento que se dará como forma de celebrar o dia 28 de abril, conforme o seguinte:




Palestra: " Assédio Moral no Trabalho - Consequências para a saúde e direitos dos trabalhadores“.

Palestrantes convidados:


Prof. Dra. Margarida Barreto - Médica psiquiatra, Escritora e Professora do programa de pós graduação do Departamento de Psicologia Social de São Paulo (PUC-SP) e do curso de especialização e Medicina do Trabalho da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.



Dr. Arthur Lobato – Psicólogo, Jornalista, Coordenador da Comissão de Combate ao Assédio Moral dos Sindicatos dos Servidores da Justiça de 1ª e 2ª Instância do Estado de Minas Gerais (SINJUS-MG E SERJUSMIG).



Debatedora:

Dra. Andréa de Miranda Ramos – UFJF e SUS

Mediadora:

Dra. Fabiana Nunes Merhy – Silva UFRJ - UFJF

Data: 26 de abril- terça feira

Local: Auditório da OAB - Av. dos Andradas, 696 (Em frente a UNIVERSO)

Horário: 19 horas

Solicitamos a fineza de confirmar a sua participação, a partir de 11/04, através dos seguintes telefones: 3690-7511 / 3690-7466 / 3215-5071 / 3215-1855 /3215-2249 / 3215-5318 / 3214-2948 / 3215-7134.

As vagas serão limitadas às primeiras 330 inscrições.

Assédio Moral no Trabalho - Palestra Cerest Juiz de Fora

Palestra: “Assédio Moral no Trabalho”

O Centro de Referência em Saúde do Trabalhador – CEREST-JF, divulga a palestra “Assédio Moral no Trabalho – Consequências para a saúde e direitos dos trabalhadores”.
O evento acontecerá no dia 26 de abril (terça-feira), às 19 horas, no Auditório da OAB (Av. dos Andradas, 696), em Juiz de Fora-MG.

As vagas são limitadas e as incrições podem ser confirmadas através dos seguintes telefones:
 3690-7511 / 3690-7466 / 3215-5071 / 3215-1855 / 3215-2249 /3215-5318 / 3214-2948 / 3215-7134

Palestra "Assédio Moral no Trabalho em Juiz de Fora

Estão abertas as inscrições para a palestra "Assédio Moral no Trabalho - Consequências para a saúde e direitos dos trabalhadores", promovida pelo Sindicato dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Sintraf), em parceria com Centro de Referência em Saúde do Trabalhador (Cerest-JF) e o Conselho Municipal de Saúde (CMS)

O evento, que será realizado no dia 26 de abril às 19h, no auditório da OAB, acontece em virtude do Dia Mundial das Vítimas de Acidente de Trabalho, celebrado no dia 28 de abril. As interessados podem se inscrever pelo telefone (35)3215-2249 ou pelo email saude@bancariosjf.com.br . A entrada é franca e as vagas são limitadas as primeiras 330 inscrições.

A sede da OAB fica Avenida dos Andradas, 696 (Em frente à Universo).

Confira os palestrantes convidados:

Margarida Barreto - Médica do Trabalho, Vice Coordenadora do Núcleo de Estudos Psicossociais da Dialética Exclusão/Inclusão Social da PUC- São Paulo (NEXIN). Escritora e Professora do Curso de Especialização em Medicina do Trabalho da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo.

Arthur Lobato - Psicólogo, Jornalista, Coordenador da Comissão de Combate ao Assédio Moral do Sindicato dos Servidores da Justiça de 1ª Instância do Estado de Minas Gerais.

bancariosjf.com.br