quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Comissão apura denúncias do Sindicato da Polícia Federal

Comissão de Direitos Humanos obtém esclarecimentos sobre denúncias de violação do direito de greve e assédio moral cometidos em retaliação ao movimento grevista realizado por servidores da Polícia FederalSupostos assédio moral e violação do direito de greve serão discutidos em audiência pública nesta quarta-feira (27).

A Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais vai realizar uma audiência pública para debater denúncias de assédio moral e de violação do direito de greve cometidos por dirigentes da Polícia Federal (PF), em suposta retaliação ao movimento grevista dos policiais federais em 2012. Requerida pelos deputados Sargento Rodrigues (PDT) e Durval Ângelo (PT), a audiência será realizada nesta quarta-feira (27/2/13), às 18 horas, no Auditório.

Segundo a assessoria do deputado Sargento Rodrigues, a audiência visa a apurar denúncias encaminhadas pelo Sindicato dos Policiais Federais em Minas Gerais (Sinpef/MG). O relatório da entidade aponta medidas extremas pós-greve, com punições abusivas e injustas que estariam sendo implementadas por dirigentes da Superintendência Regional da PF. Na audiência, pretende-se averiguar se tais ações teriam relação direta com o movimento grevista dos agentes da PF realizado entre agosto e dezembro de 2012.

Foram convidados o chefe da Delegacia Regional Executiva da PF, Rodrigo de Melo Teixeira; o titular da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado da PF, Rodrigo Morais Fernandes; o procurador-chefe da República no Estado, Adaílton Ramos do Nascimento; o presidente do Sindicato dos Policiais Federais, Rodrigo dos Santos Marques Porto; o presidente e o diretor de Relações Sindicais do Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal (Sindipol/DF), respectivamente Jones Borges Leal e Luís Antônio de Araújo Boudens; o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais, William dos Santos; e o psicólogo Arthur Lobato Magalhães Filho.

http://www.almg.gov.br/

Pauta da 2ª Reunião Extraordinária - Audiência Pública

Quarta-feira 27 Fevereiro 2013, 18:00
Local: Auditório (Tel: 21087657)
Membros Efetivos Membros Suplentes
Dep. Durval Ângelo/PT (Presidente) Dep. Maria Tereza Lara/PT
Dep. Rômulo Viegas/PSDB (Vice-Presidente) Dep. Bonifácio Mourão/PSDB
Dep. Rogério Correia/PT Dep. Paulo Lamac/PT
Dep. Sebastião Costa/PPS Dep. Duarte Bechir/PSD
Dep. Zé Maia/PSDB Dep. Célio Moreira/PSDB
Assessor : RITA DE CÁSSIA BAMBIRRA (Tel: 21087169)
Apoio : MÁRCIO JÚNIO DE OLIVEIRA REZENDE SILVA (Tel: 21087169)
Consultor : LINCOLN ALVES MIRANDA (Tel: 21087677)

1a. Parte - Expediente

Leitura e aprovação da ata;
Leitura da correspondência e da matéria recebida;
Designação de relator;

2a. Parte - Ordem do Dia/Pauta

Finalidade: Obter esclarecimentos sobre denúncias de violação do direito de greve e assédio moral cometidos em retaliação ao movimento grevista realizado por servidores da Polícia Federal, entre 7/8/12 e 7/10/12.
Autores do(s) requerimento(s):
Dep. Sargento Rodrigues
Dep. Durval Ângelo

Convidados:
Adaílton Ramos do Nascimento, Procurador-Chefe da República no Estado de Minas Gerais;
Silmara Cristina Goulart, Procuradora da República de Defesa dos Direitos do Cidadão no Estado de Minas Gerais;
Giêdra Cristina Pinto Moreira, Defensora Pública da União;
Rodrigo Morais Fernandes, Chefe da Delegacia Regional de Combate ao Crime Organizado da Superintendência Regional da Polícia Federal em Minas Gerais;
Rodrigo de Melo Teixeira, Chefe da Delegacia Regional Executiva da Superintendência Regional da Polícia Federal em Minas Gerais;
Rodrigo dos Santos Marques Porto, Presidente do Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Minas Gerais - Sinpef-MG;
Jones Borges Leal, Presidente do Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal - Sindipol/DF;
Luís Antônio de Araújo Boudens, Diretor de Relações Sindicais do Sindicato dos Policiais Federais no Estado de Minas Gerais - Sinpef-MG;
William dos Santos, Presidente da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Minas Gerais;
Arthur Lobato Magalhães Filho, Psicólogo. Discussão e votação de proposições da comissão

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

A escuta privilegiada: lições de Marie France Hyrigoen

 Publicado em: http://www.sinjus.com.br/



Como receber ou atender uma vitima de assédio moral?

Marie France Hyrigoen reforça, em sua palestra, o trabalho já desenvolvido no Brasil por Margarida Barreto e pela equipe de combate ao assédio moral do SINJUS, orientando os profissionais de saúde a ter muita solidariedade e empatia com a vítima de assédio moral que os procura, criando assim, um vínculo de confiança que possibilite ao profissional, escutar, pontuar a narrativa, retomar o fio da meada de um discurso, muitas vezes narrado numa velocidade verbal acelerada, característica das pessoas em estado ansioso. Outras vezes, o paciente pode estar em um estado depressivo e cabe a nós psicólogos, criar um clima favorável, não ser invasivo, saber esperar em silêncio, respeitando os sentimentos e conflitos interiores, para que a vítima possa narrar o que esta acontecendo em sua vida.

É importante que quando as lembranças do mal causado pelo assédio moral trouxerem de volta o afeto reprimido - sentimento de re-vivência dos fatos via palavra/emoção -, a relação entre o psicólogo e a vítima seja de solidariedade e através da empatia, deixar o paciente à vontade, para que as lágrimas sejam uma forma de alívio e não um momento de vergonha por chorar na frente de estranhos, pois, para muitos homens chorar é expressão de fraqueza, mas pode ser benéfico, pois é a emoção em seu estado puro. 

No momento que as lembranças trouxerem sentimentos de ódio, temos que fazer o manejo da emoção, já dizia Freud, toda pulsão consiste de afetos ligados a uma ideia. Assim, o encontro com a vitima de assedio moral deve ter uma escuta diferenciada, ser um momento de solidariedade, de apoio emocional, que a vitima de assedio tanto precisa. 

Muito importante é uma anamnese do trabalho, ou seja, obter o máximo de informações da historia de vida da vitima de assédio, seu trabalho e os efeitos do assedio sobre sua saúde. No término da sessão, é importante que a vitima esteja mais tranquila, depois de ter desabafado e se emocionado, por isso o tempo deste encontro deve ser maleável sem ser interminável, daí a importância do manejo, da experiência e da técnica do psicólogo na sessão, para que se possa trabalhar a emoção e o descarrego do afeto, via palavras e atos, proporcionando assim um pequeno alívio pulsional às vitimas de assedio moral. 

Portanto, voltamos ao inicio do texto: somente com empatia criamos o vinculo de confiança que proporciona o encontro que viabiliza ou não o sucesso do atendimento psicológico às vitimas de assédio moral.


Especialistas franceses falam no TRT sobre assédio moral e a relação entre saúde e trabalho Confira!

Psicólogo orienta sobre o atendimento a vítimas de Assédio Moral


Publicado em: 
http://www.sinjus.com.br/
Nesta sexta-feira (8/2), o SINJUS-MG traz o terceiro texto do psicólogo Arthur Lobato que integra a série de artigos sobre as palestras realizadas por Marie France Hyrigoen, especialista em Assédio Moral, e Chistopher Dejours, que estuda a relação prazer-sofrimento no trabalho.


Os estudiosos são franceses e estiveram no Brasil, a convite da Escola judicial do Tribunal Regional do Trabalho 4ª Região (TRT4), em Porto Alegre, em abril de 2012. As análises foram feitas pelo psicólogo e coordenador da Comissão de Combate ao Assédio Moral do SINJUS/Serjusmig, Arthur Lobato, que participou do evento. Clique aqui e leia a introdução da série.
No artigo de hoje, Arthur Lobato fala sobre como receber ou atender uma vítima de assédio moral. Segundo o especialista, apoio, empatia, solidariedade e respeito são os principais sentimentos que devem envolver a vítima e o profissional de saúde.
Clique aqui e leia o artigo. Boa leitura!

domingo, 3 de fevereiro de 2013

SINJUS-MG disponibiliza bibliografia sobre Assédio Moral






O combate ao Assédio Moral é uma das bandeiras do SINJUS-MG, e poucas pessoas sabem, mas a principal arma de defesa contra esse mal é o conhecimento. Por isso, o especialista do Sindicato no assunto e membro da Comissão de Combate ao Assédio Moral na Administração Pública, Arthur Lobato, fez uma seleção de artigos, teses, livros e cartilhas especialmente para os filiados ao SINJUS-MG.
O material, que está disponível no site do Sindicato, tem como objetivo esclarecer dúvidas de servidores e servir de base para pesquisas sobre o Assédio Moral no trabalho. Entre os autores dos textos estão estudiosos do tema como Margarida Barreto, Marie-France Hirigoyen e Christophe Dejours.
Confira aqui a bibliografia que selecionamos para você.